18 fevereiro 2013

DAS CLAREIRAS DOS BOSQUES

 
 
III

faz tempo as algas tinham braços
e reflectiam as alas da água em flores marinhas
inebriadas em redor pelo fósforo dos peixes
direccionavam faróis para as gemas das ilhas

faz tempo cruzavam a eternidade as bagas e os corais
em voos desdobrados, cumplices dos lagos,
e vinham dar à praia fadas e sereias em colmeias
fundeadas por âncoras e límpidas auroras

faz tempo os amantes vinham partindo e chegando à nave do dia
pelas rosas da tarde em dulcíssimos navios
e recolhiam a luz do silêncio imortal entre o centeio e o milho

faz tempo os humanos percorriam as pálpebras dos bosques
entre folhas de sol e abrigos de mel
[e eram estrelas]
ampliavam uma nova língua

se não fossem as algas que saberíamos da alegria?


Maria Azenha
in: De Amor Ardem os Bosques
 
 

 
 

21 comentários:

  1. Faz tempo, um belo inicio para um belo poema.

    Bj!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida

      Um lindo poema e uma música maravilhosa.Adorei como sempre as tuas escolhas.

      Um beijinho com carinho
      Sonhadora

      Eliminar
    2. faz tempo gosto de ter-te por aqui, António
      obrigada :)

      beijo

      Eliminar
  2. ... e se não fossem...

    não fossem

    lutaríamos como somos

    ResponderEliminar
  3. Faz tempo que eu adoro as tuas escolhas!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Querida amiga

    Há neste texto
    uma beleza simples,
    e a certeza de que
    a felicidade
    acontece na simplicidade...

    Desejo que o amor,
    faça morada em seu coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querido amigo, a felicidade está sempre onde a quisermos encontrar :)

      obrigada, beijinho.

      Eliminar
  5. Faz tempo que não te "via" Vento.

    Se me permite vou ser teu seguidor.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. faz tempo que te esperava JP!
      benvindo.

      bjinho

      Eliminar
  6. o vento é tão forte...v
    é um vencedor para o bem e para o mal.


    Lágrima

    Lágrima marota
    Cai no meu rosto
    E vai rolando...
    De mansinho...
    Por toda a cara...
    Vai saboreando...
    E vai deixando
    Um pouco de água
    Um pouco de sal...

    Sal de amargura...
    Mas que é necessário...
    E, assim vou ficando
    Com o rosto mais doce...
    Com o rosto molhado
    E vou sentindo...
    Lágrima marota.
    O teu rolar...
    E vou gostando...
    Que te sirvas de mim
    Para te acostares...
    E quando quiseres
    Podes voltar!...

    LILI LARANJO


    Depois de limpar a minha lagrima coloco um sorriso e deixo-te um beijo com muito carinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...?! mas porque não pára de rolar essa lágrima marota, querida Lili?!!...
      porquê?!!!

      conta p'ra mim! :)
      beijinho carinhoso para ti também :)

      Eliminar
  7. Belissimo blog, meus parabéns.
    Bom domingo
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. benvinda, Maria :)
      grata pela tua visita.

      feliz semana
      abraço

      Eliminar
  8. Wonderful! Gosto mesmo de tudo nesta postagem! Uma bela poesia.
    Bravo minha amiga! Beijo

    ResponderEliminar
  9. Wonderful! Gosto mesmo! Uma bela poesia. Bravo minha amiga poetisa. Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada Tossan, és um querido.
      há muito que não passavas por aqui :)

      beijo.

      Eliminar
  10. Querida amiga
    Há visitas aos lugares amigos,
    para recolher palavras.
    Há visitas a estes mesmos lugares
    Para semear palavras.
    A visita de hoje além da leitura
    das preciosas palavras que aqui encontro,
    é também para agradecer
    a alegria de passar pela sua vida
    e encontrar o perfume da amizade
    de forma tão intensa.

    Que a sede da alegria
    Nunca cesse em ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aluísio, pessoas como tu são-me insprescindiveis.

      obrigada pelo teu carinho e amizade, sempre presentes.
      beijo.

      Eliminar