21 setembro 2012


Tapas os caminhos que vão dar a casa 
Cobres os vidros das janelas 
Recolhes os cães para a cozinha 
Soltas os lobos que saltam as cancelas 

Pões guardas atentos espiando no jardim 
Madrastas nas histórias inventadas 
Anjos do mal voando sem ter fim 
Destróis todas as pistas que nos salvam 

Depois secas a água e deitas fora o pão 
Tiras a esperança 
Rejeitas a matriz 

E quando já só restam os sinais 
Convocas devagar os vendavais

Maria Teresa Horta




11 comentários:

  1. Olá vento,
    Que intensa poesia, e ao mesmo tempo suave feito brisa, nos direcionando a reflexão.
    Caminhar com leveza em tua "casa" é desfrutar de alegria aos olhos.

    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)) obrigada Fernanda pelo mimo :))

      beijos.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. uma mulher incrivel, para além de poeta

      sempre fui apaixonada pela sua poesia.
      beijo.

      Eliminar
    2. queria dizer: para além de escritora :)

      Eliminar
  3. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Morgan, bem vindo!
      já te visitei :)
      achei o teu blog interessante
      voltarei para esmiuçá-lo com tempo, tem muito que ler :)
      até logo.

      Eliminar
  4. Entrei com a intenção de retribuir a visita, no entanto tenho que dizer que tem poemas lindos lindos. Muitos parabéns quer pelos poemas, quer pelo blogue.

    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António, bem vindo!
      desculpa a indelicadeza de ter deixado passar a tua primeira passagem por aqui sem resposta [aparente]:)))
      grata pelo carinho
      volta sempre

      beijo

      Eliminar