12 abril 2012

CIÚME DE POETA?


Tenho acordado,
ultimamente,
com os aromas das flores de Abril enevoados,
a agonizar por entre as moitas do desânimo
e o gosto acre da chuva
derramada pelo temporal da tua ausência.

Abro a janela e vejo o horizonte
a ser puxado para baixo
a cada minuto que passa sem te ouvir
e o grasnado das gaivotas diz-me
que ninguém sabe de ti.

Roubo as asas de uma gaivota e vejo-me,
ofegante,
um trovador à procura do castelo da princesa,
alarmado e volátil como o espírito,
sem palavras de tormenta ou de bonança.

Do alto, vejo-te a sorrir num areal imenso,
beijando o mar a rugir de sofrimento e afastando
o arrepio dos ventos,
indiferente ao meu ciúme tresloucado
[ciúme de poeta?].

Exausto, tento abrigar-me da borrasca,
esmago,
apago,
restauro e
dilato
este sofrer de amar-te porque sim,
este enlevo de algemas
que de mim se faz teu prisioneiro
num jardim pejado de asas diárias de gaivota.

Moribundo,
a respirar páscoas de flores ausentes,
mergulho em calafrios de pétalas insípidas
à espera do encanto do teu cheiro.







6 comentários:

  1. Respostas
    1. há outros em que me falta o cheiro do mar

      Eliminar
  2. Obrigado pelo destaque.
    Querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não foi um destaque
      foi um carinho.
      estás no grupo dos meus poetas.
      obrigada, Barcelli.
      beijos também para ti.

      Eliminar
  3. as cores somos nós que as criamos...
    tudo é colorido de acordo com o nosso "querer" logo, o insípido não tem lugar no nosso "quadro"... o amor.



    a...té

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade, ponto e virgula, o valor das coisas está nos olhos de que as sabe ver
      e sentir...

      a... té ;)

      Eliminar