07 julho 2012

JARDIM DO MAR






Vi um jardim que se desenrolava
Ao longo de uma encosta suspenso
Milagrosamente sobre o mar
Que do largo contra ele cavalgava
Desconhecido e imenso.

Jardim de flores selvagens e duras
E cactos torcidos em mil dobras,
Caminhos de areia branca e estreitos
Entre as rochas escuras
E, aqui e além, os pinheiros
Magros e direitos.

Jardim do mar, do sol e do vento,
Áspero e salgado,
Pelos duros elementos devastado
Como por um obscuro tormento:
E que não podendo como as ondas
Florescer em espuma,
Raivoso atira para o largo, uma a uma,
As pétalas redondas
Das suas raras flores.

Jardim que a água chama e devora
Exausto pelos mil esplendores
De que o mar se reveste em cada hora.
Jardim onde o vento batalha
E que a mão do mar esculpe e talha.
Nu, áspero, devastado,
Numa contínua exaltação,
Jardim quebrado
Da imensidão.
Estreita taça
A transbordar da anunciação
Que às vezes nas coisas passa.

Sophia de Mello Breyner Andresen



4 comentários:

  1. Fizeste uma belíssima escolha poética.
    Querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, Barcelli
      resto de domingo, feliz

      beijo.

      Eliminar
  2. Belíssimo poema! Assim vale a pena visitar blogs de textos. Bj

    ResponderEliminar